img

Os hormônios relacionados ao gerenciamento de peso


Verifique o bom equilíbrio deles para emagrecer com saúde 

Seja como causa, seja como efeito, os níveis e funções de diversos hormônios são alterados nos casos de sobrepeso e de obesidade. 

É por esse motivo que, como parte do processo de emagrecimento, será importante (e talvez até decisivo!) investigar seu perfil hormonal. Para isso, um médico endocrinologista (que é o especialista responsável por investigar as funções metabólicas do corpo) será imprescindível.

E para te introduzir no assunto, reuni aqui uma breve explicação sobre o mecanismo dos 7 hormônios mais expressivos quando o assunto é perda de peso. Confira:

# Testosterona

Esse hormônio tem ligação com maior queima de gordura, fortalecimento de ossos e de  musculatura e aumento da libido.

Nas mulheres, a produção de testosterona é, naturalmente, muito menor do que nos homens e a diminuição de seus níveis pode implicar na dificuldade de perder de peso.

Com a testosterona baixa haverá perda de densidade óssea e de massa muscular. Dessa forma o corpo passará a diminuir seu gasto energético em repouso e ajudará a promover ganho de peso.

O avançar da idade e situações cotidianas consideradas estressantes para o organismo são as causas do desequilíbrio desse hormônio. 

# Progesterona x Estrogênio 

Esses dois hormônios precisam estar equilibrados para que exerçam suas funções corretamente. Estresse, métodos contraceptivos e menopausa podem interferir bruscamente em seus níveis. 

O desequilíbrio levará a perda de massa muscular e a retenção de líquidos, aumentando os números na balança!

# Insulina 

Esse hormônio é secretado pelo pâncreas e age transportando a glicose (açúcar) da corrente sanguínea para dentro das células, com o intuito de fornecer energia para o bom funcionamento de todo o organismo.

Quem se alimenta de forma desequilibrada e abusa dos açúcares pode induzir o organismo a desenvolver uma resistência à esse hormônio. Quando isso acontece as células tendem a ‘rejeitar’ o suprimento de glicose, que se acumula na corrente sanguínea.

Esse excesso de açúcar no sangue é muito prejudicial e poderá levar ao ganho de peso e ao Diabetes tipo 2.

# Leptina 

O hormônio responsável pela sensação de fome! A leptina é a maior reguladora da ingestão de alimentos e das taxas metabólicas, pois comanda os níveis de energia do corpo.

As responsáveis por fazer sua secreção são as células de gordura. Acontece que quanto mais altos os níveis de leptina, menor a reação do corpo ao hormônio. 

Com os sinais de saciedade do corpo comprometidos, a sensação de fome perdura, levando ao comer excessivo e ao ganho de peso. 

# Cortisol 

Hormônio secretado pela glândula adrenal em diversas situações consideradas estressantes para o corpo, como: lesões físicas, tristeza, ansiedade, raiva e estresse. 

Seu mecanismo de ação ameniza os malefícios dessas situações sobre o organismo elevando os níveis de açúcar no sangue. 

Há quem viva em estado de estresse permanente. Isso acaba por manter o cortisol elevado e induz o corpo a estocar mais gordura. Como consequência, ocorre o ganho de peso.

# T3, T4 e calcitonina

Esses hormônios são produzidos pela tireóide e têm função no metabolismo do corpo. Se estiverem desregulados levarão aos quadros de hipotireoidismo ou de hipertireoidismo, sendo que o hipotireoidismo tem associação direta com o ganho de peso. 

O quadro compromete as reações metabólicas e o corpo não consegue queimar gordura como deveria. 

Além do ganho de peso em pouco tempo, as sensações de desânimo, cansaço, sonolência, pele seca, inchaço na região dos olhos, lentidão física e mental são os demais sintomas da doença.

# GH

Também conhecido como ‘hormônio do crescimento’, o GH estimula o desenvolvimento dos músculos e dos ossos, promove maior perda de gordura e reduz as taxas de glicose no sangue.

Seus níveis são bastante elevados durante a puberdade e diminuem naturalmente a partir dos 25 anos. Caso sua produção seja comprometida por hábitos não saudáveis, haverá perda de massa magra e aumento de gordura corporal.

Observe quantos tópicos a serem observados no que diz respeito a nossa saúde metabólica! 

Cuidar do equilíbrio entre todos esses hormônios requer hábitos saudáveis gerais, dos quais sempre falamos por aqui: sono adequado, alimentação balanceada, vida ativa com exercícios regulares, hidratação e diminuição do estresse diário.

Alguns casos (com diagnóstico de Diabetes e hipotireoidismo, por exemplo) precisarão de tratamento medicamentoso junto à mudança do estilo de vida. Investigue fazendo seus exames de check up.

Espero ter te levado informações importantes para seu bem estar.

Um abraço,

Coach Rampasso
Educador Físico/ Expert Rating Personal Trainer (USA)

[Referências bibliográficas:]

ROBERTA A. LORDELO. Eixos Hormonais na Obesidade: Causa ou Efeito? Arq Bras Endocrinol Metab 2007;51/1:34-41

Riccioni G, Menna V, Lambo MS, Della Vecchia R, Di llio C, et al. Leptin and hypothalamus-hypophysis-thyroid axis. Clin Ter. 2004;155(1):29-31.

Zhou M, Lin BZ, Coughlin S, Vallega G, Pilch P. UCP-3 expression in skeletal muscle: effects of exercise, hypoxia and AMP-activated protein kinase. Am J Physiol. 2000;279:E622-9.

Relacionados


Deixe seu comentário